A CORRIDA NÃO É SEMPRE PARA O MAIS RÁPIDO...... MAS PARA AQUELE QUE CONTINUA CORRENDO.

domingo, 29 de dezembro de 2013

S.SILVESTRE DE LISBOA




Ontem, num final de dia, bastante cinzento, participei na S.Silvestre de Lisboa, um pouco antes de ser dado o tiro de partida, ainda choveu durante 10 minutos. 

Uma prova com muita afluência de atletas, “cortaram” a meta 6535.

Participaram nesta corrida de 10 km,  atletas de alta competição, atletas populares de bom nível e ainda aqueles como eu, atletas de” fim de semana” que eram a maioria.

Várias bandas alegravam os atletas, na partida, ao longo do percurso e na chegada. 

A Baixa Pombalina saudava-nos com a sua iluminação tradicional.

Esta foi a primeira corrida em que participei como veterano VI.

Escalão Veteranos VI
Classifiquei-me em 125º lugar 
Total de atletas : 230

Site da prova: http://www.saosilvestredelisboa.com/site/
Fotos em : http://www.ammamagazine.com/

A próxima corrida será o Grande Prémio Fim da Europa, de Sintra ao Cabo da Roca.
"Difícilmente haverá prova mais bonita"
Site da prova: http://www.fimdaeuropa.com/











Continuando a correr.................

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

UMA HISTÓRIA DE NATAL COM UM FINAL FELIZ



Esta é uma narrativa verídica e está associada à história da vida da minha família.

Decorria o ano de 1972, residia na Pontinha, concelho de Loures (hoje concelho de Odivelas).

Na véspera de natal, fui passar a consoada em casa de familiares que também residiam na mesma localidade.

Quando regressámos a casa, o meu Pai que costumava dar uma “olhadela” ao carro, sempre estacionado perto de casa e constatou que este não se encontrava onde o tinha deixado. Tinham-no roubado.

Naquela época um carro tinha o valor, de uma vida de sacrifícios para o comprar, nada comparável aos dias de hoje. Um carro era para durar muitos anos na posse do proprietário.

Fomos dormir angustiados pela perda e também por este ato ter sido praticado na véspera de Natal, uma noite para passar com a família e não para actividades criminosas.

Na manhã do dia seguinte tocou o telefone, era uma pessoa a perguntar se o dono da viatura de matrícula XX-XX-XX morava ali, ao obter uma resposta afirmativa, disse que o referido veículo se encontrava junto de uma Carpintaria nos Olivais.

Este senhor descobriu o número de telefone pela chapa de identificação obrigatória, colocada no interior do veículo, onde também constava a morada.

Dirigimo-nos para os Olivais, onde se encontrava o carro, nesse manhã do dia de Natal, com a ansiedade própria e a interrogação de como estaria o carro se danificado ou intacto.

Ao chegarmos à rua indicada pela pessoa, era uma rua sem saída, onde estavam instaladas diversas oficinas, verificámos que o carro estava em condições, só uns arranhões devido a algumas tentativas para roubar o rádio mas não o conseguiram.

O carro era um Ford Cortina azul, junto dele estava outro da mesma marca, mas de cor diferente, foram deixados ali, talvez para serem desmontados durante a noite seguinte. Só que o dono da carpintaria necessitou de ir à oficina no dia de Natal e desconfiou de dois carros ali estacionados e logo da mesma marca.




Tentámos ver a placa identificativa no interior do outro carro, não tinha o número de telefone só a morada.

Dirigi-me ao endereço que constava na placa era na  zona do Lumiar, toquei à campainha e atendeu-me o proprietário da casa, perguntei se morava ali o senhor (disse o nome) e se era o dono de um carro Ford Cortina de matrícula YY-YY-YY , respondeu afirmativamente e mudando a fisionomia do rosto triste para um rosto alegre, assim que lhe disse que tinha encontrado o seu carro.

Em casa dessa pessoa estava um ambiente amargurado, devido ao roubo do carro, quando  ele deu a notícia à família foi uma festa, até me convidaram para comer e beber. 

O Natal foi mais feliz para estas duas famílias.

Boas festas

Continuando a correr........................

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

S.SILVESTRE DE LISBOA - 2013

No dia 28 de de Dezembro , pelas 17 horas e 30 minutos, irei participar na S.Silvestre de Lisboa, com o dorsal 6142.

Esta será a primeira prova em que participarei como veterano M6  ( 60 -64 ).






O percurso de 10 km:


Partida na Avenida da Liberdade - Praça dos Restauradores – Praça D. Pedro IV (Rossio) – Rua do Ouro – Corte à direita para Rua do Arsenal – Praça Duque da Terceira (Cais do Sodré) – Corte à direita para Av. 24 de Julho – Retorno junto à Casa América Latina/ Palácio da Cruz Vermelha – Av. 24 de Julho - Av. Ribeira das Naus – Corte à esquerda para Praça do Comércio – Rua da Prata – Rua da Betesga – Praça D. Pedro IV (Rossio) – Praça dos Restauradores – Av. da Liberdade – Retorno na Praça Marquês de Pombal – Av. da Liberdade – Meta  


Continuando a correr...................

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

56º GRANDE PRÉMIO DO NATAL

Será que ele aguenta correr 10 km?
e não é que ele aguentou.


Ontem numa manhã com o Sol a aquecer ligeiramente a quem se expunha aos seus raios, participei no 56º Grande Prémio do Natal na distância de 10 km. 

Uma prova desportiva com o percurso pelas ruas de Lisboa, na zona de Entrecampos ( partida), Saldanha, Campo Grande, Marquês de Pombal e Restauradores (chegada).

Antes da partida da corrida de 10 km desenrolaram-se outras provas desportivas com a distância de 2 km, 4 km, marcha atlética e uma caminhada.

Na prova de 10 km foram 1899 os atletas que cortaram a meta, alguns com trajes e barretes de Pai Natal.

O principal objectivo da minha participação nesta corrida era o de me "despedir" do escalão V(M55-59), tinha também em mente verificar como estava a minha condição física, após uma paragem prolongada de 5 meses, para que os treinos diários tivessem outra motivação.

A partir desta data a minha inscrição nas provas desportivas (corridas) passará a ser no escalão de veteranos VI ( M60-64 ), por isso não posso exigir muito deste corpo já envelhecido. :) :)

Não fiquei desiludido com o meu desempenho, pois aguentei toda a corrida sem paragens, embora num ritmo lento, mas quase sempre constante e terminei sem estar fatigado.

Posição na geral: 1274º lugar
Total de atletas: 1899
------------
Tempo bruto: 55 min 39 seg
Tempo líquido: 53 min 26 seg
Média: 5 min e 29 seg / km
--------
Escalão (M 45-99): 403º lugar
Total de atletas neste escalão: 542







Este evento além do cariz desportivo, tinha também um cariz solidário associado a um Hipermercado,  projecto este que tinha o nome  de "Missão Sorriso".

Classificações e diplomas em : http://www.xistarca.pt/
Fotos em:  http://www.ammamagazine.com/galerias
( Fotógrafos  José Gaspar e Manuel António)

Continuando a correr..................

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

56º GRANDE PRÉMIO DO NATAL

15 de dezembro de 2013

11 horas

10 km


Inscrevi-me nesta corrida por dois motivos, primeiro para ganhar motivação para o treino diário, segundo por ser a última corrida que farei no escalão de veteranos V (55-59) a próxima a S.Silvestre de Lisboa já será no escalão VI (60-65).

Nesta corrida do G.P do Natal, não sei porque razão, os escalões são diferentes, estou inscrito como veterano III ( 45 ou mais). Assim marcam a sua diferença.

Desde que me inscrevi nesta prova, tem surgido no meu pensamento por diversas vezes enquanto corro, a célebre frase ( de alguém que nunca "aguentou" ), será que ele aguenta (correr 10 km)?  Ai aguenta, aguenta, se já aguentou no passado também aguenta agora.

Não participo em provas desportivas desde Junho de 2012 , a última foi a  corrida de S.António em Lisboa, esta será a minha primeira corrida de 2013.

O percurso:
Corrida tem a partida marcada para as 11.00 Horas. A partida será dada em "Entrecampos" (junto à porta principal da antiga Feira Popular), Av. da Republica, Praça do Saldanha, contornado esta pela esquerda, no sentido do trânsito (Sul/Norte), em direcção ao Campo Grande, virando junto à Churrasqueira, seguindo para Entrecampos, Av. da Republica, Saldanha, Av. Fontes Pereira de Melo, Praça Marquês de Pombal, Av. da Liberdade, Praça dos Restauradores (junto aos CTT), onde termina.

Informações:
http://www.xistarca

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

A VONTADE DE CORRER

Algumas causas que me levam a sentir cada vez mais vontade de correr:

- A motivação está em alta
- Os treinos continuam diariamente e com assiduidade.
- O tempo de duração da corrida este mês é de 1 hora.
- Aos fins de semana já consigo percorrer uma distância de 11 km.
- Durante a corrida vou  imaginando  objectivos desportivos para 2014

Alguns problemas durante os treinos:

- O  piso dos passeios por onde corro é muito irregular.
- O atravessamento nas passadeiras dos peões por vezes é um risco de vida.
- Alguns automobilistas não se desviam nem 1 mm, quando vou a correr na   berma da estrada.






E a  corrida continua…………..

domingo, 20 de outubro de 2013

VOLTEI A CORRER



OS  TREINOS


Após uma paragem de 5 meses ( de Janeiro a Junho), foi muito difícil recomeçar a correr.

Estava mais pesado 6 kg , com o corpo pouco habituado ao esforço.

Mas tenho conseguido, dar a volta a estas dificuldades.

Com o aumento gradual dos tempos de corrida e a motivação em alta, neste momento já consigo correr 50 minutos em corrida contínua.

Irei aumentar para 1 hora na próxima semana, a duração do treino diário.

Dentro em breve espero estar com condição física para aguentar o esforço de uma corrida de 10 km.

Embora já tenha corrido em treino (em ritmo de jogging)  essa distância.

Os tempos dos treinos diários, nestes 5 meses

Junho - 30 min
Julho -  40 min
Agosto - 45 min
Setembro - 50 min
Outubro - 50 min


A iniciar um treino de 10 km - Parque das Nações

Até amanhã

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

O ADEUS

A vida é feita de capítulos como  se de um livro se tratasse, vamos encerrando uns e iniciando outros.
Encerrei  a partir deste mês um desses capítulos e como este blogue faz parte dele, ficará por isso inativo, a não ser que surja na minha vida desportiva algo que seja digno de colocar aqui.
Agradeço a visita de quem por aqui passou ao longo destes anos.


Adeus até um dia........

sábado, 5 de janeiro de 2013

A FELICIDADE DOS ANIMAIS


Hoje corri pelas ruas de Odivelas, durante 45 minutos no meu ritmo lento, podendo por isso,  descobrir e observar muitos dos pormenores que vão surgindo no percurso.

Enquanto corro muitas vezes baixo a cabeça e olho para o chão e vejo lixo, dejetos de cão, observo também o tipo de chão que vou pisando, umas vezes em laje com pedrinhas, outras em cimento ou pedra e outros materiais.

Olho para as pessoas que se vão cruzando comigo, umas a passear os cães, outras nos seus afazeres diários e outras ainda  a correr como eu.

Vejo os automobilistas a vociferarem dentro dos habitáculos dos carros e oiço  o som das suas  buzinas, a não respeitarem os peões nas passadeiras, passando a grande velocidade, a estacionarem em cima dos passeios e tendo eu muitas vezes de  correr na estrada, por falta de espaço para passar.

Este assunto da atenção que eu vou dando ao que me rodeia, vem a propósito do que vi quando parei junto do gradeamento de uma ponte, para fazer uns “alongamentos”.

Ao lado dessa ponte, corre na parte de baixo a água de um ribeiro, um dos vários existentes em Odivelas. Estavam na água um pato e uma pata, (pensei eu porque um tinha a pluma do pescoço colorida em cor  verde e o outro a pluma era toda acastanhada) a chapinhar e a bater as asas, voltavam para trás e repetiam a ação.


Pensei eu com os meus botões (apesar de não os ter) estes animais estão felizes só com o pouco que vão encontrando no seu habitat, aliás os animais por natureza são felizes, o Homem muitas vezes é que os tornam infelizes. 

Até amanhã